Plantar Água | Coca-Cola PT

Plantar Água | Coca-Cola PT

Todos os anos, milhares de hectares de floresta ardem nos países do sul da Europa. Mais de 80% da área ardida por ano no continente corresponde a Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia e Turquia, segundo a WWF

 

Os ecossistemas mediterrâneos são especialmente vulneráveis ​​ao fogo por uma série de razões. Fatores como o aumento da vegetação derivado do abandono de atividades tradicionais como a pastorícia, o modelo urbano e a falta de gestão florestal, somam-se às alterações climáticas, que só agravam o problema. Ondas de calor resultam numa floresta seca e inflamável, cheia de vegetação descontrolada, na qual um incêndio costuma ser rápido e devastador.

 

Uma das áreas de intervenção do projeto Plantar Água. Foto: Manuela Sousa Uma das áreas de intervenção do projeto Plantar Água. Foto: Manuela Sousa

O ano de 2012 foi especialmente sombrio em termos de incêndios na Grécia, Itália, Espanha e Portugal, onde o grande incêndio de Catraia devastou cerca de 25.000 hectares no coração da Serra do Caldeirão, parte da Rede Natura 2000. Assim, como acontece com todos os incêndios florestais, perdeu-se muito mais do que árvores. O ecossistema da área foi profundamente alterado, com a consequente deterioração da biodiversidade, degradação dos solos e diminuição da qualidade e disponibilidade de água, além do empobrecimento das populações próximas, com uma economia eminentemente ligada ao ambiente natural.

 

Agora, com o objetivo de recuperar parte dessa floresta mediterrânica e tudo o que esta regeneração acarreta, a Associação Natureza Portugal (ANP) e a WWF, em colaboração com The Coca-Cola Foundation, lançaram o projeto Plantar Água.

 

Objetivo: plantar mais de 50.000 árvores e arbustos

 

Entre o outono de 2020 e 2022, engenheiros, técnicos e operacionais irão trabalhar numa área de 100 hectares correspondente a seis lotes privados afetados pelo incêndio de Catraia, no concelho de Tavira, no Algarve. Neles, serão plantadas mais de 50.000 árvores e arbustos de espécies mediterrâneas.

 

“A primeira coisa que vamos fazer é limpar a área de intervenção, eliminando espécies invasoras que não fazem parte da flora nativa”, afirma Manuela Sousa, gestora do projeto. “No começo de novembro iniciaremos os primeiros plantios, e esse repovoamento será feito de acordo com as características do solo e as condições climáticas. Ou seja, haverá espécies como o sobreiro e o medronheiro que entrarão nos terrenos mais húmidos, enquanto outras como o pinheiro-manso vão acabar nas zonas de maior exposição solar, juntamente com os sobreiros e os medronheiros”, explica.

 

Plantar água dados

“Nas superfícies com taludes ou afloramentos rochosos haverá intervenções pontuais e localizadas, enquanto nas próximas às linhas de água serão plantadas espécies ribeirinhas como salgueiros, freixos e aroeiras”, continua. Nos próximos meses, a equipa da ANP / WWF vai verificar como estão esses plantios e serão construídos novos, além de controlar a vegetação espontânea.

 

Reativação da economia local 

 

Tarefas de limpeza da terra antes do plantio de espécies mediterrânicas. Foto: Suberpinus Tarefas de limpeza da terra antes do plantio de espécies mediterrânicas.Foto: Suberpinus

Além desse reflorestamento, tais ações trazem benefícios muito mais amplos em termos ambientais e sociais que serão verificados a longo prazo. Assim, a floresta desempenha um papel direto na retenção e absorção da água da chuva. A recuperação da flora mediterrânea permitirá que mais água seja recolhida para plantas, animais e aquíferos.

 

Com mais plantas e árvores a atuar como barreiras, a erosão do solo e o escoamento superficial serão reduzidos. E com mais terra para filtrar e purificar, haverá mais água de melhor qualidade numa área de alto stresse hídrico, cuja situação pode se agravar no contexto das alterações climáticas. A previsão é recuperar entre 200 e 250 milhões de litros de água para afluentes e reservatórios. Além disso, estima-se que até 2050 essa floresta terá absorvido 17.964 toneladas de dióxido de carbono.

 

A nível socioeconómico, a melhoria destes habitats irá promover a indústria local ligada à floresta, como a produção de cortiça, obtida a partir da casca do sobreiro mediterrânico (Quercus suber), bem como o turismo rural. “O troço das margens do rio Foupana em que vamos intervir insere-se num importante percurso natural, o da Via Algarviana. O restauro da sua vegetação vai reavaliar o interesse turístico desta zona e, consequentemente, do percurso como um todo” aponta Manuela Sousa.

 

Plantar água dados

Sensibilização ambiental

 

Mas o projeto Plantar Água vai ainda mais longe e também procura uma mudança de consciência, talvez o mais difícil. Para isso, vai realizar jornadas de portas abertas com os proprietários de outras propriedades florestais para que estes vejam o potencial deste tipo de experiência. Também partilhará os resultados com a comunidade técnico-científica para que a iniciativa sirva de exemplo e seja replicada noutros locais com necessidades semelhantes.

 

Sem esquecer uma terceira questão: a sensibilização das populações rurais para o seu papel ativo na preservação da floresta. “Os jovens são a força mais poderosa para mudar as coisas e, entre outras ações, os alunos das escolas dos concelhos próximos da zona de intervenção vão ajudar-nos nas plantações”, afirma Manuela Sousa.

 

Gestão sustentável do território

 

Margem do rio Foupana. Foto: Manuela Sousa Margem do rio Foupana. Foto: Manuela Sousa

Na sua opinião, “a abordagem global deste projeto - que alia a conservação à formação e à sensibilização ambiental - é a melhor forma de combate aos incêndios no sul de Portugal”. No entanto, tal abordagem não teria ganho dimensão sem a colaboração das partes envolvidas. A iniciativa tem o apoio da Associação dos Produtores Florestais da Serra do Caldeirão; os concelhos de Tavira, Loulé e São Brás de Alportel; Região de Turismo do Algarve; APA - ARH Algarve; o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, o Ministério da Coesão Territorial; e várias associações de desenvolvimento local.

 

O Plantar Água junta-se aos vários projetos de reposição de água que Coca-Cola desenvolve há anos na Península Ibérica, no âmbito do seu compromisso de devolver à natureza 100% da água contida nas suas bebidas, sempre em colaboração com ONGs, universidades, órgãos públicos e outros agentes especializados em conservação de água. Do primeiro ao último, todos eles demonstram como uma gestão sustentável e responsável do território é benéfica para todos.

 

Projeto financiado por The Coca-Cola Foundation

 

Última atualização: 01/10/2020