A água é essencial para praticamente todas as funções do organismo. As necessidades hídricas diárias variam consoante os indivíduos (sexo, idade, situação fisiológica, atividade física) e de acordo com as condições ambientais (temperatura e humidade relativa). Neste sentido, as recomendações de consumo de água estabelecidas pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) em 2010, e recentemente incluídas no relatório “Dietary Reference Values for nutrients Summary Report” (EFSA, 2017), foram feitas considerando a água proveniente de todos os tipos de bebidas e de alimentos.

Mais especificamente, o painel da EFSA conclui que a ingestão adequada de água é de 1300 ml/dia para crianças de 2 a 3 anos; 1600 ml/dia para crianças de 4 a 8 anos; 1900 ml/dia e 2100 ml/dia para raparigas e rapazes de 9 a 13 anos, respetivamente. A partir dos 14 anos, os valores de consumo de água recomendados pela EFSA são de 2000 ml/dia para mulheres e 2500 ml/dia para homens.

De acordo com as referências da EFSA, “estas doses adequadas aplicam-se apenas em condições de temperatura ambiental moderada e níveis moderados de atividade física. Perdas de água realizadas sob condições extremas de temperatura externa e de exercício físico”, recorda a EFSA, podem chegar a cerca de 8000 ml/dia e “têm que ser repostas por quantidades apropriadas”, assim como as perdas de eletrólitos.

Neste sentido, foi recentemente publicada uma edição especial da revista científica Nutrients denominada “Beverage Consumption Habits around the World: Association with Total Water and Energy Intakes”, que visa abordar a ingestão real de água em todo o mundo face às recomendações atuais. O suplemento debruça-se também em profundidade sobre o consumo de água, considerando o aporte energético proveniente das bebidas. Assim, entre os 20 artigos científicos que foram abrangidos, está incluída a investigação “Beverage Consumption Habits and Association with Total Water and Energy Intakes in the Spanish Population: Findings of the ANIBES Study”.

O objetivo desta investigação foi quantificar a ingestão total de água e bebidas, e explorar associações entre tipos de bebidas consumidos e a ingestão calórica e a conformidade com os valores de referência atuais, por sexo e idade, entre outros.

De acordo com os resultados do estudo, “os homens consumiram 1,7 l/dia, aproximadamente 33 % menos do que as recomendações estabelecidas, e as mulheres 1,6 l/dia, quase 21 % menos do que o valor recomendado, que sugere que a ingestão deve ser de 2,5 l/dia para homens e 2,0 l/dia para mulheres”.

O estudo também aponta que, “tendo em consideração que a média do consumo total de energia no Estudo ANIBES foi de 1809 kcal/dia, a contribuição relativa das bebidas foi de 12 %”. Este valor está próximo do proposto pela EFSA e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomendou que a ingestão calórica diária proveniente de bebidas não deve exceder os 10 %.

Em relação às bebidas consumidas com mais frequência, este estudo científico indica que foi a água, seguida do leite, para ambos os sexos. Entre os homens, estas bebidas foram acompanhadas, em ordem decrescente, por “bebidas alcoólicas, refrigerantes calóricos e bebidas quentes”. Para as mulheres, as bebidas mais consumidas, depois da água e do leite, foram, por esta ordem, “bebidas quentes, refrigerantes calóricos e álcool”.

European Food Safety Authority (EFSA). Dietary Reference Values for nutrients Summary report,2017; doi: 10.2903/sp.efsa.2017.e15121.

EFSA Panel on Dietetic Products, Nutrition, and Allergies (NDA): Scientific Opinion on Dietary Reference Values for water. EFSA J, 2010;8:1459.

Serra-Majem Ll, Nissensohn M. Preface to “Beverage Consumption Habits around the World: Association with Total Water and Energy Intakes”. Nutrients, 2017. ISSN 2072-6643.

Nissensohn M, Sánchez-Villegas A, Ortega RM, Aranceta-Bartrina J, Gil Á, González-Gross M, Varela-Moreiras G, Serra-Majem L. Beverage Consumption Habits and Association with Total Water and Energy Intakes in the Spanish Population: Findings of the ANIBES Study. Nutrients, 2016;8(4):232; doi:10.3390/nu8040232.

WHO. Guideline: Sugars intake for adults and children. Geneva: World Health Organization; 2015.