Um novo ensaio clínico aleatório publicado na revista científica Appetite testou o impacto das bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias versus água com a perspetiva do consumo de energia total em adultos saudáveis. A dimensão da amostra utilizada para o desenvolvimento do estudo foi de 166 indivíduos (80 mulheres e 86 homens), saudáveis ​​e não obesos, que não consumiam adoçantes sem ou de baixas calorias de forma regular.

Por um período de nove semanas, o estudo avaliou o impacto sobre o consumo de bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias em oposição à água tendo em consideração o apetite, ingestão calórica e escolhas em matéria alimentar. Neste sentido, parte da amostra consumiu bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias ou água, de acordo com as diferentes fases da investigação. Os dados analíticos foram realizados antes do consumo da bebida e após um período de cinco semanas de habituação aos adoçantes sem ou de baixas calorias, tanto em laboratório quanto em condições normais e quotidianas de vida.

Durante a fase de pré habituação dos participantes, os participantes que nunca tinham ingerido adoçantes sem ou de baixas calorias tanto bebiam uma lata de bebida com adoçantes de baixas calorias às refeições principais por dois dias consecutivos ou o mesmo volume de água mineral. O estudo confirmou que “o consumo diário de bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias às refeições (3 x 330 ml durante dois dias) por homens e mulheres saudáveis ​​que eram consumidores ocasionais de adoçantes sem ou de baixas calorias não alterou a sua ingestão total de energia em comparação com o mesmo consumo de água”. Durante esta fase, a ingestão de açúcares em laboratório diminuiu de acordo com os adoçantes sem ou de baixas calorias, assim como a ingestão total de hidratos de carbono no grupo masculino. “Em ambos os sexos, as avaliações para o valor médio para fome, satisfação e desejo de comer obtidas em laboratório durante o dia inteiro foram muito semelhantes”.

Em relação ao efeito de habituação aos adoçantes sem ou de baixas calorias nos participantes, houve uma comparação entre as “respostas alimentares observadas na semana 9, após 5 semanas da fase de habituação (2 x 330 ml /dia de bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias ou água da semana 4 a 8) com as mesmas respostas observadas na semana 1 em participantes não acostumados à ingestão deste tipo de adoçantes, comparando as respostas alimentares entre os participantes habituados aos adoçantes sem ou de baixas calorias e o grupo de controlo”. De acordo com este estudo, “as bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias não aumentam a ingestão total de energia quando comparadas com a água”. Especificamente, em participantes que não são consumidores regulares de adoçantes sem ou de baixas calorias, e mesmo após o período de habituação às bebidas sem ou de baixas calorias, “não foi observada nenhuma reação adversa ao longo do tempo”.

“O Índice de Massa Corporal (IMC) inicial foi 21,4 ± 0,4 e 21,9 ± 0,4 respetivamente para as mulheres do grupo da água e do grupo das bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias e de 23,5 ± 0,4 e 22,9 ± 0,4 para os homens.” Igualmente “não foi detetado nenhum efeito significativo no IMC do grupo no período após versus antes do período de habituação e sem interação ligada ao género”.

Este estudo mostra que “a exposição pontual ou habitual a bebidas com adoçantes sem ou de baixas calorias não tem um efeito estimulante para a ingestão total de energia, ingestão de alimentos, ou seleção específica e consumo de alimentos doces, comparativamente com a água”. Da mesma forma, o estudo destaca que “a evidência mostra que o uso de adoçantes sem ou de baixas calorias em vez do açúcar, em adultos não obesos, se traduz na redução do apetite por alimentos doces e açúcares, sugerindo um efeito sensorial específico de saciedade”.

No entanto, enquanto aspeto pendente a testar, estabelece também que a generalização dos resultados ainda deve ser aprofundada noutros grupos etários, tal como a necessidade de examinar estes efeitos em indivíduos com excesso de peso / obesos e durante longos períodos de utilização. O estudo contou com o cofinanciamento da The Coca-Cola Company.

Fantino M, Fantino A, Matray M, Mistretta F. Beverages containing low energy sweeteners do not differ from water in their effects on appetite, energy intake and food choices in healthy, non-obese French adults. Appetite, 2018;125:557-565; doi: 10.1016/j.appet.2018.03.007.