Existe um consenso geral que refere que são precisos apenas sete segundos para formar uma opinião sobre o outro, baseada unicamente na aparência. Mas, e se alguém não o visse? Pensaria o mesmo só de ouvi-lo falar? Isto é precisamente o que a Coca-Cola queria experimentar no Médio Oriente com a produção do vídeo “Dark Iftar”, que fez parte da sua campanha anti preconceito durante o Ramadão, em 2015.

No vídeo de três minutos, um grupo de seis homens senta-se ao redor de uma mesa durante o Iftar, a refeição noturna com a qual o jejum diário dos muçulmanos é interrompido durante o mês do Ramadão. Na escuridão absoluta, eles são convidados a falar sobre os seus hobbies, as suas preocupações e discutem qual a imagem que está a chegar à cabeça de cada um, em função da informação que vão partilhando à mesa.

As luzes são finalmente acesas e cada membro do grupo fica surpreendido ao descobrir que as suas primeiras impressões estavam completamente erradas. Entre eles estava um especialista em ciências do comportamento humano coberto de tatuagens, um ocidental que fala árabe fluentemente e tem um profundo interesse pela cultura e um paraquedista entusiasta numa cadeira de rodas.

A experiência mostrou que é impossível imaginar a aparência de alguém com base nos seus interesses, do mesmo modo que pode levar a um equívoco pensar que alguém é de determinada maneira apenas pela imagem que projeta ao mundo, incentivando assim à destruição de estereótipos.

A campanha ficou marcada pelo lançamento de uma edição limitada de latas de Coca-Cola, em que na frente se podia ver a icónica "curva dinâmica", em branco sobre o fundo vermelho, sem a palavra Coca-Cola. Ao virar o recipiente, dizia: "Os rótulos são para latas, não para pessoas".

O vídeo recebeu o prestigiado prémio europeu Golden Sabre, em outubro de 2016, ajudando a espalhar a poderosa mensagem anti preconceito da Coca-Cola. A campanha recebeu ainda um dos prémios Dubai Lynx, que distingue a melhor publicidade do norte de África e do Médio Oriente, e um leão de ouro, no Cannes Lions International Creativity Festival.

"Estamos extremamente felizes de ver que esta campanha transcende a região e viaja pelo mundo", disse Murat Ozgel, diretor-geral da Coca-Cola no Médio Oriente.

Este artigo é uma adaptação do publicado na Coca-Cola Journey Reino Unido