Depois de participar na edição de 2019 do Fórum Económico Mundial, continuo a refletir sobre o progresso que fizemos desde o lançamento da nossa estratégia global de embalagens, World Without Waste, que apresentei em Davos em 2018.

Estamos a fazer um progresso; por exemplo, atualmente a nossa taxa geral de recuperação de embalagens é de 59%. Em alguns países, estamos a usar mais de 25% do material reciclado nas nossas garrafas e latas. Em quatro países, desenvolvemos uma garrafa de plástico feita 100% de material reciclado. À medida que continuamos a avançar em direção aos nossos objetivos, também somos inspirados por aqueles que estão focados em encontrar soluções. O momento existe, mas é claro que ninguém pode avançar sozinho. O desafio coletivo é enorme, e para que seja possível uma mudança real, é necessário que as empresas, governos e ONG’s unifiquem forças.

Desta forma, anunciámos recentemente que permitimos o acesso a outras empresas à nossa tecnologia Plantbottle, a primeira garrafa de plástico e 100% reciclável (PET), parcialmente feita a partir de plantas, para que também esteja disponível para os nossos concorrentes do setor. Isto ajudará a colocar mais bioplástico nas embalagens de outras empresas, mostrando o verdadeiro impacto que a Plantbottle pode ter.

Também nos encontramos a estabelecer colaborações a longo prazo, com a Associação Global de Ação Plástica, liderada pelo Fórum Económico Mundial, que procura eliminar a poluição do plástico através da economia circular. Também alocamos fundos à Circulate Capital, empresa de gestão de investimento que apoia empresas embrionárias que apresentam soluções para o problema dos resíduos.  Em outubro de 2018, a Circulate Capital anunciou a criação do “The Ocean Fund”, um fundo de 90 milhões de dólares (mais de 78 milhões de euros) com a contribuição de marcas como a Danone, Dow, Procter & Gamble, Unilever e a Coca – Cola, com a finalidade de enfrentar esta crise ambiental que ameaça os nossos oceanos e meio ambiente.

Os nossos investimentos também incluem a pesquisa e o desenvolvimento para melhorar a reciclagem e torná-la mais acessível, e com uma abrangência cada vez maior nos locais de atuação. No final do ano passado, a Coca-Cola fez dois anúncios importantes.

Por um lado, a Coca-Cola European Partners, tornou-se a primeira engarrafadora do Grupo Coca-Cola, a assinar um acordo com a Loop Industries, empresa que fornece o plástico PET Loop, que é 100% reciclado, para a concretização das embalagens dos seus produtos para 2020 na Europa Ocidental. O presente acordo permitirá à Coca-Cola acelerar o aumento do PET reciclado nas suas embalagens. Por outro lado, a empresa encontra-se a apoiar a Start-up Ioniqa Technologies, cuja tecnologia inovadora permite a conversão de plásticos que antes não podiam ser reciclados, nomeadamente, em garrafas PET para utilização alimentar.

Estes são apenas alguns sinais que comprovam que trabalhar em conjunto marca a diferença no nosso percurso rumo a um mundo sem desperdício.

Agora, imagine por um momento que colocamos toda a nossa experiência, conhecimento e recursos juntos para resolver o desafio dos resíduos. Em não deixar as latas e as garrafas onde elas não pertencem, em não pensar que é um problema de cada um, mas sim o contrário, que é uma preocupação partilhada por todos, com uma responsabilidade comum.

Então, de repente, um mundo sem resíduos já é possível.

James Quincey CEO da The Coca-Cola Company

Este artigo é uma adaptação do publicado em Coca-Cola Journey Global