A Coca-Cola apresenta a sua primeira garrafa feita a partir de plásticos marinhos recuperados e reciclados, mostrando que, algum dia, até os resíduos do oceano se podem transformar em novas garrafas para uso alimentar. Esta inovação mundial é também um exemplo de como a tecnologia mais inovadora pode transformar plástico PET altamente degradado em matéria-prima de alta qualidade.

É a primeira garrafa no mundo fabricada com plástico reciclado proveniente de lixo do mar e apta para ser usada em alimentação e bebidas. Foi possível fabricar cerca de 300 garrafas usando 25% de plástico reciclado dos fundos marinhos e das costas de Portugal e Espanha. Um pequeno passo neste momento, mas com grandes implicações futuras...

Reciclagem de materiais não recicláveis

As tecnologias mais inovadoras em reciclagem
As tecnologias mais inovadoras em reciclagem, como a da empresa Ioniqa Technologies, permitem converter plásticos que anteriormente não podiam ser reciclados em garrafas PET para uso alimentar..


Esta garrafa fabricada com lixo marinho foi desenvolvida para mostrar o potencial transformador das novas técnicas de reciclagem. São processos altamente inovadores que decompõem os elementos plásticos e eliminam as impurezas do PET muito degradado e depois o convertem num plástico valioso e adequado para o uso em alimentos e bebidas. Isso significa que os plásticos de menor qualidade, que costumam ser destinados à incineração ou levados para aterros sanitários, agora podem receber uma nova vida. Isso também significa que haverá mais material disponível para reciclagem, o que reduzirá a quantidade de PET virgem usado, gerando uma menor pegada de carbono.

Este protótipo de garrafa é o resultado do trabalho conjunto realizado pela Ioniqa Technologies, Indorama Ventures, o projeto Mares Circulares da Coca-Cola e a The Coca-Cola Company. Apesar desta forma revolucionária de reciclagem estar ainda na sua fase inicial, a curto prazo estas melhorias serão realizadas à escala comercial pela Coca-Cola, usando os atuais canais de reciclagem e incluindo plásticos que não eram recicláveis anteriormente. A partir de 2020, a Coca-Cola planeia estender essas conquistas para outras garrafas do seu portfólio de bebidas.

Esta garrafa mostra que, algum dia, até os resíduos oceânicos se podem tornar novas embalagens para uso alimentar.
Esta garrafa mostra que, algum dia, até os resíduos oceânicos se podem tornar novas embalagens para uso alimentar.

Trabalhar até ao resíduo zero

Bruno van Gompel, Diretor Técnico e da Cadeia de Abastecimento da The Coca-Cola Company para a Europa Ocidental, destaca o potencial da tecnologia atual: "As novas tecnologias de aperfeiçoamento da reciclagem são extremamente promissoras, não apenas para nós, mas também para a indústria e a sociedade em geral. Apressam a perspetiva de uma economia circular para plásticos e é por isso que estamos a investir nelas. À medida que começam a ser utilizadas em larga escala, veremos como todos os tipos de plásticos podem ser reutilizados como se fossem novos, uma e outra vez, impedindo que grandes quantidades de resíduos cheguem a incineradores e aterros sanitários”.

Na opinião de Tonnis Hooghoudt, CEO da Ioniqa Technologies, a empresa holandesa por detrás dessas novas tecnologias de melhoria da reciclagem: “Estes avanços terão um impacto a nível global. Ao trabalhar com a Coca-Cola e a Indorama para produzir esta garrafa, o nosso objetivo é mostrar o que a tecnologia pode oferecer. A nossa nova fábrica já está operacional e estamos a incorporar essa tecnologia em escala. Ao fazê-lo, o nosso objetivo é eliminar completamente o conceito de 'plástico descartável' e resíduos de plástico".

Inovação através da colaboração

  • Limpeza da costa. O plástico marinho desta nova garrafa foi recolhido por voluntários que participaram na limpeza de 84 praias em Espanha e Portugal, e por pescadores de 12 portos, como parte do projeto Mares Circulares da Coca-Cola. Financiada em parte pela The Coca-Cola Foundation, esta iniciativa é o resultado da colaboração entre a Coca-Cola, o Ministério da Agricultura, Pesca, Alimentação e Meio Ambiente da Espanha e três organizações ambientais sem fins lucrativos: a Asociación Chelonia, a Fundación Ecomar e a Asociación Vertidos Cero.
  • Inovação tecnológica. Em janeiro de 2019, a Coca-Cola concedeu um empréstimo à Ioniqa Technologies na Holanda para contribuir com o avanço da tecnologia patenteada de aperfeiçoamento da reciclagem. O lixo plástico recolhido graças ao projeto Mares Circulares foi processado e reconvertido pela Ioniqa Technologies, utilizando essas técnicas inovadoras.
  • Colaboração com a indústria. A Indorama Ventures, um dos fornecedores de soluções de plástico e embalagens PET da Coca-Cola, posteriormente converteu esse material no plástico PET necessário para fazer a primeira garrafa no mundo feita de plástico marinho.