Já não podemos construir o nosso futuro sob o modelo de “take, make and throw”. A economia circular, que transforma os resíduos em recursos, oferece uma solução aos desafios ambientais que enfrentamos. Um modelo de desperdício zero que passa inevitavelmente por usar embalagens com material reciclado.

As garrafas PET de Coca-Cola Ibéria não só são 100% recicláveis, como têm PET reciclado na sua composição.

A empresa Nosoplas, situada na Corunha, está encarregue de proporcionar este material à Coca-Cola Ibéria para a produção de novas garrafas. Atualmente, cada garrafa de bebida refrescante e cada garrafa de água da Coca-Cola Ibéria contém 15% de PET reciclado.

Aumentar esta percentagem não é fácil. Por um lado, “é um desafio conseguir plástico reciclado transparente e de qualidade. Nem todos valem.”, conta Susana Pliego, Environment & Safety Manager na Coca-Cola Ibéria. “Estamos comprometidos com a qualidade dos ingredientes e materiais e submetemos a nossa empresa de reciclagem a um dos processos mais exigentes do mercado”, afirma. “Auditamos, por exemplo, tanto a tecnologia como as resinas que utiliza, para nos assegurarmos de que as garrafas que comercializamos cumprem estes altos standards”.

Como é que a Coca-Cola Ibéria consegue aumentar a percentagem de material reciclado numa garrafa PET?

Por outro lado, não há muito PET reciclado de qualidade disponível no mercado. “O motivo é que não reciclamos o suficiente, ainda que estejamos cada vez mais conscientes.” Precisamente para evitar que as embalagens acabem onde não devem, a Companhia Coca-Cola, juntamente com os seus mais de 200 sócios engarrafadores, propôs-se a recolher e reciclar o equivalente a 100% de todas as latas e garrafas que comercialize a nível mundial até ao ano 2030, como parte de dos compromissos de Um Mundo sem Resíduos.

Não obstante o desafio que implica, a Companhia traçou um objetivo ambicioso: que a percentagem de PET reciclado das suas garrafas alcance pelo menos os 50% em 2025. “A divisão da The Coca-Cola Company na Europa Ocidental estabeleceu um máximo de 50% porque ir mais além supõe que algumas características da garrafa se vejam afetadas”, explica a responsável do departamento de Meio Ambiente da Coca-Cola Espanha desde há mais de 16 anos.

Um limite imposto pela própria tecnologia. “Os novos sistemas permitem chegar a números mais altos e a partir do  Centro de Investigação e Desenvolvimento da Coca-Cola Company em Bruxelas, estamos a trabalhar intensamente para poder aplicar melhorias daqui a dois anos”.

Inovação em materiais

The Coca-Cola Company

Além disso, este centro de inovação, um dos seis que a Coca-Cola Company tem em todo o mundo, procura o desenvolvimento de novos materiais, como os de fibras renováveis.”. A esta categoria pertence a PlantBottle, a nossa garrafa PET com 30% de materiais de origem vegetal provenientes de um subproduto do processamento do açúcar de cana”. Um dos mais recentes lançamentos de bebidas da Coca-Cola em Portugal – Honest – é comercializado neste formato.

Para a Environment & Safety Manager da Coca-Cola Ibéria, a solução para a geração de resíduos passa “por reciclar mais; criar, desde a fase do próprio projeto, embalagens ecologicamente mais adequadas e contar com a tecnologia e as infraestruturas necessárias para reciclar e reutilizar todas as embalagens e fabricar outras a partir daquelas.”. Isso sim, sem demonizar o plástico, sublinha Susana, “porque o que hoje está a contaminar os oceanos é o mau uso que fazemos dele”.