A III edição da corrida de BTT Powerade Non-Stop Madrid-Lisboa teve como maior destaque o português Bruno Rosa, o primeiro ciclista a chegar à meta na categoria mais difícil e exigente da prova: a solo. Foram mais de 40 horas a pedalar sozinho, sem qualquer colega para o render durante os cerca de 770 quilómetros que desenham o percurso entre Madrid e Lisboa.

Fazendo uma média de 18,5 quilómetros por cada hora, o ciclista alentejano estabeleceu um novo record absoluto da prova nesta categoria com 40h:32m:22s. Um tempo que será difícil de bater, tendo em conta que tirou cerca de duas horas ao record e que o segundo classificado deste ano ficou a cerca de 1h20m.

O Português esteve imparável e nem as dificuldades do percurso, que se revelou ainda mais exigente este ano, com a redução dos troços em asfalto, mais troços com maior percentagem de inclinação e terrenos em areia foram obstáculo para aquele que os colegas de pelotão apelidaram de “super-homem”.

Conversámos um pouco com o Bruno, para tentar perceber o que lhe vai no espírito.

Conseguiste unir as duas capitais da Península Ibérica em menos 2h15m do que o vencedor do ano passado. Foste também o 1º português a subir ao lugar mais alto do pódio e logo na categoria mais exigente. Que significado tem esta vitória para ti?

Este resultado tem um significado inexplicável, é de tal forma gratificante que é dificil acreditar! Ainda estou a digerir tal feito. A verdade é que só consegui ter o conhecimento do meu feito quando no Domingo acordei e liguei o telemóvel às redes sociais! Senti-me como me tivesse "apresentado" ao mundo, ter mostrado o valor que tenho!

Esta prova obriga os participantes a saber gerir bem o esforço e a levar o corpo até aos limites. Qual é o segredo para esta superação?

Para ser sincero, quando me inscrevi o meu objectivo era "apenas" chegar a Lisboa. Não estou nada familiarizado com a privação do sono e muito menos pedalar à noite, no entanto após dominar a frente da corrida desde do inicio, quando cheguei à 6ª/7ª etapa acreditei que era possível, pois fisicamente estava bem, a parte psicológica melhorou bastante pelo facto de já ter passado a primeira noite, a motivação por ir na frente era mais um poço de força e a partir daí é "cuidar" da nossa bicicleta para que não tenha nenhuma avaria, é alimentar-me bem, hidratar-me e cuidar do meu corpo o mínimo possível (mudar algumas peças de roupa, nomeadamente as meias molhadas e sapatos, por cremes anti-fricção, etc..). A verdade e deixo aqui a dica, não vão realizar tal prova sem um bom acompanhamento. Ou seja o facto de eu chegar às zonas de transição e ter lá a minha namorada com tudo o que referi anteriormente preparado é 70% de possibilidade de conseguir chegar a Lisboa.

Fizeste paragens técnicas nos pontos de hidratação. Como fizeste essa gestão do cansaço e do sono? No pelotão fala-se que o teu segredo foi mesmo uma Coca-Cola.

As paragens eram principalmente para atrasar o aparecimento de algumas contrariedades fisiológicas e físicas (sono, dores sejam articulares ou musculares), a hidratação e alimentação foram fundamentais. Saber o que comer e suplementar foi um fator chave. Relativamente à Coca-Cola, aconteceu em dois pontos estratégicos em que o sono se fazia sentir e o calor também, dessa forma o que melhor do que uma Coca-Cola fresca?! :D

Que conselhos podes dar aos portugueses que estejam a pensar inscrever-se na próxima edição da prova?

Que pensem no seguinte, se já foi completado por 13 pessoas na categoria solo nas duas edições (ndr: 21 contando com esta edição), não é nada que não se consiga fazer... nas primeiras etapas não levem grandes espectativas de resultado, pois faltam muitos quilómetros para o fim e muita coisa acontece entretanto! Desfrutem das primeiras etapas e com o desenrolar da competição, aí sim... criem um objetivo e lutem por ele!

Apesar de estar habituado a muitos quilómetros em cima de uma bicicleta, pelo facto de ser ciclista federado desde os 13 anos Bruno Rosa reconheceu a dureza extrema da prova.. Contamos com ele para 2016!Fizeste paragens técnicas nos pontos de hidratação. Como fizeste essa gestão do cansaço e do sono? No pelotão fala-se que o teu segredo foi mesmo uma Coca-Cola.

As paragens eram principalmente para atrasar o aparecimento de algumas contrariedades fisiológicas e físicas (sono, dores sejam articulares ou musculares), a hidratação e alimentação foram fundamentais. Saber o que comer e suplementar foi um fator chave. Relativamente à Coca-Cola, aconteceu em dois pontos estratégicos em que o sono se fazia sentir e o calor também, dessa forma o que melhor do que uma Coca-Cola fresca?! :D

Que conselhos podes dar aos portugueses que estejam a pensar inscrever-se na próxima edição da prova?

Que pensem no seguinte, se já foi completado por 13 pessoas na categoria solo nas duas edições (ndr: 21 contando com esta edição), não é nada que não se consiga fazer... nas primeiras etapas não levem grandes espectativas de resultado, pois faltam muitos quilómetros para o fim e muita coisa acontece entretanto! Desfrutem das primeiras etapas e com o desenrolar da competição, aí sim... criem um objetivo e lutem por ele!