Escritor: um talento inato ou aprendido? É uma pergunta difícil de responder, mas é provavelmente uma mistura das duas coisas: habilidades naturais e prática. A verdade é que existe algo em comum em todos os escritores de sucesso, que é: eles não pararam de escrever.

Ansioso por descobrir se és um jovem talento da escrita? Então, responde às dez perguntas que aqui te apresentamos.

Sentes a necessidade de te expressares pela escrita?

Quase todos nós escrevemos com bastante frequência de uma forma ou de outra, desde mensagens curtas pelo WhatsApp às listas infindáveis de compras. No entanto, um jovem talento escreve pelo desejo, pela ambição, pela necessidade urgente de comunicar e de transmitir as suas próprias ideias e pensamentos.

Não vives sem as palavras?

“Uma palavra e tudo está seguro, uma palavra e tudo está perdido”, diz um poeta. O mármore está para o escultor e a aguarela para o pintor como a linguagem está para o escritor. Tentas usar de maneira eficaz as palavras, brincar com os seus sentidos, procurar as que desconheces. E, se necessário, inventas!

És viciado em leitura?

“Um escritor que não lê é como um compositor que não ouve música”, diz Stephen King. Certamente deliciavas-te a ouvir todos os contos e histórias infantis que te contavam antes de adormeceres. E de certeza que também lias todos os livros que te ofereciam! Hoje, esperas ansioso pela nova parcela das aventuras do teu escritor preferido ou mergulhas na história de intriga ou amor impossível do autor que te conquista a cada página.

Tens magia criativa?

Vês um enorme dragão, enquanto os outros vêm apenas um monte de galhos. Crias mundos imaginários, com pessoas e animais inventados. Esse mundo entra na tua cabeça quase que automaticamente; sem pedir permissão. Pensas a escrever. Escreves mentalmente o argumento de um romance de sonho.

És um bom observador do mundo que te rodeia?

O escritor, tal como qualquer outro artista, precisa de ter uma sensibilidade à flor da pele para desvendar a alma e o segredo das coisas. É um grande observador da magia do mundo que rodeia. Tem um ouvido sempre atento e um olhar profundo.

O escritor, tal como qualquer outro artista, precisa de ter uma

©Foto: iStock / georgecosminmarin

Será que o livro é um membro do teu corpo?

A história de Harry Potter fez-se luz na cabeça de J.K. Rowling quando ia no comboio. O livro é para o escritor o que a câmara é para o fotógrafo, pois permite gravar pensamentos fugazes muito interessantes. Costumas levar contigo um caderno para anotar ideias e pensamentos? Quem diz livro diz guardanapos, bilhetes de supermercado ou, claro, o imprescindível smartphone

A tua curiosidade é infinita?

Música, filosofia, cinema, pintura e teatro… praticamente tudo te interessa, mesmo que para ti não seja a coisa mais apelativa do mundo. Trata-se, no fundo, de conhecer e tentar compreender. Um grande alimento para a mente e para o espírito e uma grande ajuda na hora de escrever!

As bibliotecas fascinam-te?

“Sempre imaginei que o Paraíso seria algum tipo de biblioteca”, diz Jorge Luis Borges, que se orgulhava dos livros que tinha lido, em vez dos que tinha escrito.  Ray Bradbury, que não ingressou na faculdade porque não podia suportar todos os cursos, diz que se “formou” na biblioteca. E a ti, também te encantam todos aqueles livros que não leste e todas aquelas vidas que não viveste?

Escrever faz-te sentir bem?

Escrever deve ser divertido e não um assunto sério. Deve ser algo que te eleva o espírito, que te relaxa e que excita, que te faz sonhar e te mantém acordado ao mesmo tempo. Sentado com uma caneta na mão é a forma como te abstrais do mundo e como perdes a noção do tempo. Para ti, é fácil ser feliz com a escrita.