Todos temos uma cor preferida, uma que achamos mais agradável ou uma que combina melhor connosco. Mas as cores também chegam ao nosso cérebro sem darmos conta e têm significados muito profundos. Sabes qual é a cor da felicidade, a cor da serenidade, a cor da saúde e a cor da pureza? Então, vem saber quais são e porquê!

A cor da felicidade

Como sabes, vermelho é a cor da Coca-Cola mas sabias que é também a cor da felicidade? Vários sociólogos dizem que sim, incluindo a especialista Eva Heller que escreveu o livro A Psicologia das cores, em que perguntou a dois mil alemães de diferentes culturas e profissões quais as suas cores preferidas.

A simples presença da cor vermelha pode aumentar a adrenalina assim como a pressão arterial, segundo estudos de Morton Walker e Gerald Faber Birren.

Na China, o vermelho é o símbolo da boa sorte. Na medicina os comprimidos de cor vermelha são considerados mais eficazes pelos pacientes que os tomam graças ao efeito placebo que a cor desencadeia.

Especialistas como Andrew Elliot, psicólogo da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, defende que os desportistas ficam com melhor rendimento caso se vistam de vermelho e que os condutores de automóveis ficam mais entusiastas, ambiciosos e impacientes.

Como explica José Ramón Alonso no seu livro La nariz de Charles Darwin:

O vermelho é a cor que gera uma maior atenção e reação nas pessoas. Por isso é que se utiliza nos sinais de trânsito de perigo e nos extintores, por exemplo. É a cor mais utilizada nas bandeiras de todo o mundo.

A cor da serenidade

O azul, claro, que outra cor pode gerar calma e tranquilidade na mente das pessoas? Ainda que não exista nenhuma evidência geral, há provas de uma correlação entre um azul iluminado e a redução do número de suicídios. Já foram instalados na companhia ferroviária japonesa Nippon Expressway Co. painéis de LED para projetar luz azul nas suas plataformas. Dessa forma, conseguiram reduzir para 20% a taxa de suicídios!

Na cidade de Glasgow algumas casas estão iluminadas em tons de azul, e, segundo a Polícia, os crimes desceram 9% naquela zona em comparação com o resto da cidade.

Também há investigações que sugerem que as crianças melhoram o seu rendimento na aula com o teto pintado de azul, a transmitir serenidade e a facilitar concentração.

A cor da saúde

O verde, assim como o azul, também parece relaxar. Como diz Plinio, «o verde alegra a vista sem cansá-la». E porque razão a cor verde é conhecida como “analgésica”? Porque é a cor da medicina e da saúde. Segundo os trabalhos de Johannes Itten e Josef Albers, o verde ajuda os pacientes a tolerar a dor e a aliviar a depressão. Tal como explica Eva Heller no seu livro A psicologia das cores:

Na Alemanha diz-se a alguém que gerou uma “onda verde” quando alguém tem uma boa corrida e também algo que está im Grünbereich (em terreno verde) quando se está perfeitamente localizado.

A cor da pureza 

Inocente, pura, limpa, assim é a cor branca: uma síntese ou soma de todas as outras cores. Na verdade, as coisas brancas parecem-nos sempre mais limpas e dão-nos uma sensação de ligeireza. E tem a capacidade de modificar o espaço e iluminá-lo: já reparaste que as áreas brancas são as mais amplas? 

Assim é o poder das cores, tanto nos vestimos e nos divertimos com elas como pintamos as paredes da nossa casa. As cores rodeiam-nos e interagem subtilmente com o nosso cérebro. E, no futuro, talvez surjam mais investigações científicas que nos ajudem a melhorar o nosso rendimento intelectual, o nosso otimismo, a nossa felicidade e qualquer outro traço psicológico que aspiramos potenciar.