Quando pensamos em ser mais sustentáveis na nossa vida quotidiana, vem-nos muitas vezes à cabeça a separação e reciclagem dos nossos resíduos. E, obviamente, é uma medida muito necessária que deveríamos ter todos em conta, mas não é a única. A regra dos três R da ecologia ajuda-nos em três conceitos básicos para cuidarmos do nosso planeta e utilizarmos os recursos de forma sustentável.

Cuidar do planeta e travar as alterações climáticas é uma tarefa de todos. E não é assim tão complicado se interiorizarmos uma série de hábitos que não nos afetarão demasiadamente. Analisemos alguns:

Primeiro R: Reduzir

A primeira regra, e a mais importante, é reduzir o consumo de materiais e de energia, isto é, poupar. Esta terá um efeito duplo: por um lado seremos mais eficientes na nossa utilização, por outro também sairemos economicamente mais beneficiados.

Reduzir o consumo de água e eletricidade em nossa casa é simples, mudando alguns hábitos como não deixar a torneira aberta nem as luzes acesas, aproveitar a água fria para outras utilizações ou optar por lâmpadas LED e eletrodomésticos eficientes. Também podemos reduzir os resíduos que geramos ao utilizar sacos recicláveis para fazer compras, evitando as embalagens descartáveis nos produtos que compramos e evitando as compras por impulso do que não precisamos. Deslocarmo-nos de bicicleta ou de transportes públicos também irá ajudar a reduzir o consumo de energia de uma forma muito importante.

Do ponto de vista industrial, a Coca-Cola aplica o primeiro R no desenho das suas embalagens, tornando-as mais leves, consumindo assim menos matérias-primas e reduzindo a pegada de carbono que deriva do seu transporte. Também em inovações como a PlantBottle, uma garrafa de plástico que integra cerca de 30% de materiais de origem vegetal (um subproduto da cana de açúcar), que evita o consumo de plástico e permite aproveitar materiais que antes se descartavam.

Segundo R: Reutilizar

Depois de consumirmos algo, a sua vida não terá de terminar por aí. E o resíduo mais sustentável não é o que se produz, é o que se reaproveita. Desde as folhas impressas num lado, com as quais podes fazer um bloco para anotações rápidas, até às latas de refrigerantes que servem como porta-lápis, objetos decorativos ou mil coisas mais.

Até as coisas que não te servem se podem reutilizar. A roupa que já não usas ou os livros que já não queres podem ser dados, tanto a conhecidos como a uma ONG, onde alguém lhes poderá dar uma nova vida, evitando que se fabrique outra.

O grupo Coca-Cola aplica este segundo R nas garrafas de vidro nas quais tomas o teu refrigerante no bar. Sabias que podem ser utilizadas até 35 vezes? Depois de ser utilizada no bar, voltam à unidade de engarrafamento onde são totalmente esterilizadas e novamente cheias. Desta forma, a mesma garrafa pode ter muitas vidas e a emissão de carbono associada ao fabrico de novas garrafas é evitada.

Imagem: Epsos.de

Terceiro R: Reciclar

Quando é impossível não gerar um resíduo através dos primeiros dois erres, aplicamos o terceiro: reciclar. E reciclar significa evitar emissões contaminantes, já que criar um objeto novo a partir de outro exige menos matérias-primas e menos energia do que fazê-lo do zero e, sobretudo, evita que acabem no aterro.

Para reciclar corretamente é fundamental saber fazer a separação correta dos resíduos, tendo em conta os que são recolhidos na nossa localidade. De forma geral, são quatro tipos principais: embalagens (contentor amarelo), vidro (contentor verde), papel e cartão (contentor azul) e os restantes resíduos (contentor normal). Em algumas zonas do país há também um contentor para resíduos orgânicos (restos de comida, etc), e, obviamente, as pilhas, baterias, cristais, eletrodomésticos, medicamentos e outros objetos podem ser depositados em pontos limpos que os municípios disponibilizam para esses fins.

Há materiais, como o vidro ou o metal, cujo ciclo de reciclagem é ilimitado: podem ser reciclados uma e outra vez sem limite. É o caso das garrafas e das latas de alumínio, por exemplo. No entanto, outros como a celulose de papel pode reciclar-se umas seis vezes enquanto os tipos diferentes de plástico podem ser reciclados umas quatro ou cinco vezes.

No caso da Coca-Cola, todas as embalagens que são produzidas são recicláveis, e tanto as garrafas de vidro, como as de plástico PET como as latas fazem parte dos materiais reciclados. O desafio seguinte no qual estamos a trabalhar é elaborar uma PlantBottle com materiais 100% reciclados.