Se desafinares a cantar, chove. Esta crença popular pode estar certa ou não (tendo em conta como alguns cantam, deveria chover o dia todo), mas a canção tem um fim social que pode ser muito mais interessante: que a água da chuva se transforme em água potável, seja adequada para o consumo de muitas pessoas sem recursos e se evite uma infinidade de doenças.

Estamos a falar de uma ação da Coca-Cola Colômbia na localidade chocoana de Lloró: o local onde mais chove no mundo. Lamentavelmente, é também uma das zonas mais desfavorecidas da Colômbia, onde não existe água potável para todos.

O dia em que Lloró deixou de chorar

A ideia era muito simples: mobilizar os habitantes de Lloró para que se colocassem centenas de garrafas vazias na rua. Como está sempre a chover, a água da chuva iria enchê-las rapidamente. Depois, toca a pintar e a decorar as garrafas. Para quê? Para as vender.

Foram postas à venda através da Internet com o preço de 1.000.000 pesos (quase 400 euros). O lugar onde mais chove no mundo vendeu, literalmente, chuva. "Cada gota desta água provém do céu de Lloró, o local onde mais chove no mundo. Pode usá-la para regar uma planta ou para dar água potável às pessoas da minha aldeia."

O dinheiro obtido através desta ação gerida pela Ogilvy Colômbia serviu para instalar uma unidade de tratamento de água, e conseguir que os mais de 10 mil habitantes de Lloró tivesse finalmente acesso a água potável com o lema "O dia em que Lloró deixou de chorar".

O problema da água

98,5% de toda a água no mundo é salgada. Do restante, cerca de 1% está congelada. Desta forma, dispomos apenas de cerca de 0,5% de água potável para os 7 mil milhões de habitantes da Terra.

Não estamos perante a única ação para fornecer água potável a povoações desfavorecidas: A Coca-Cola Colômbia instalou já mais de 13 unidades de tratamento de água nos municípios mais carenciados da Colômbia, nos quais a água potável não só sacia a sede, como combate o aparecimento de doenças como a dengue e a malária e reduz os índices de infeções respiratórias agudas, tuberculoses e diarreias.

De acordo com cálculos realizados por Peter Gleick no Pacific Institute, irão morrer 135 milhões de pessoas antes de 2020 devido à falta de água potável e de condições de salubridade. Na verdade, os romanos antigos tinham água de melhor qualidade do que metade da população atual.

Grande parte das hospitalizações à escala mundial devem-se a pessoas que ingeriram água contaminada com agentes infeciosos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), só um desses agentes infecciosos, as bactérias que provocam a diarreia, representa 4,1% das doenças mundiais e mata 1,8 milhões de crianças por ano.

Desta forma, refletindo acerca da falta de água e da necessidade de investir em infraestruturas com o objetivo de que chegue nas melhores condições aos cidadãos do mundo, não só estaremos a a fazer com que chova, como também que chova ao gosto de todos.

Podes conhecer mais ações da Coca-Cola para a sustentabilidade da água e do meio ambiente na nossa secção Meio Ambient