utilização sustentável da água é um compromisso prioritário para a Coca-Cola. Por cada litro de refrigerante que produz, a Coca-Cola consome mais 0,88 litros de água (de uma proporção total de 1,88 litros por cada litro de produto). Esta quantidade de água é utilizada em procedimentos de higiene para garantir um ambiente na unidade de produção e embalagens devidamente aptas para o consumo alimentar, e é devolvida à natureza de forma segura depois de depurada.

Por outro lado, mais de 90% da Coca-Cola é água. Este é o seu ingrediente principal, que representa o outro litro de água de que falávamos. Pois bem, a Coca-Cola Ibéria propôs-se devolver à natureza também cada gota de água que as tuas garrafas contêm.

Projetos para recuperar água

Através de projetos desenvolvidos junto de ONG, institutos tecnológicos, universidades e outros agentes, são desenvolvidas ações para melhorar a utilização e qualidade da água nos nossos rios e costas. Desta forma, ao longo de 2013 foram recuperados mais de 1200 milhões de litros de água. Atualmente, a empresa, com o capital disponibilizado pela Fundação Coca-Cola, tem projetos ativos em Castilla-La Mancha, Andaluzia, Extremadura, Aragão, Comunidade de Valência e Catalunha.

Recuperação da região hidrográfica do Guadiana

região hidrográfica do Guadiana ocupa aproximadamente cerca de 12% da superfície da Península Ibérica e tem um grande impacto numa zona de grande biodiversidade. Porém, parte desta região hidrográfica tem sido afetada por projetos de extração de água subterrânea, contaminação e perda de biodiversidade.

Com a WWF Espanha, a Coca-Cola tem trabalhado para devolver o seu grande valor ecológico a esta zona. Entre 2008 e 2010, foram tomadas medidas de reflorestação de zonas afetadas por incêndios florestais na zona de baixo e médio Guadiana. Entre 2011 e 2013, as atuações focaram-se no Alto Guadiana, para recuperar zonas altamente afetadas pela agricultura.

As atuações desenvolvidas nesta zona ao longo dos anos têm permitido a recuperação de 37 milhões de litros de água.

Tablas de Daimiel

Na Extremadura e Castilla-La Mancha, a Coca-Cola colabora com a recuperação da região hidrográfica baixa e alta do rio Guadiana, no Parque Nacional das Tablas de Daimiel. Este incrível cenário protege uma das maiores nascentes de Espanha, o Sistema 23, que durante décadas tem sido excessivamente explorada pela procura de água para a agricultura. As extrações e a escassez de precipitação fizeram com que em 2009 ardesse a turfa subterrânea do Parque Nacional.

A sequidão das terras húmidas danificou gravemente a vegetação nativa dos diferentes e valiosos ecossistemas que coexistem nas Tablas de Daimiel. Entre 2008 e 2010, a Coca-Cola e WWF Espanha conseguiram reflorestar 30 hectares de floresta, conservando as espécies autóctones da zona. Em 2011, realizaram-se novos trabalhos para melhorar a eficiência na utilização da água e qualidade do solo. Este projeto permitiu aumentar a qualidade da água.

Missão Possível

A Missão Possível começou a funcionar em 2012, como uma ampliação do projeto das Tablas de Daimiel. O seu objetivo é poupar 1000 milhões de litros de água por ano aplicando a "tecnologia 3.0" para envolver os agricultores da zona. Trata-se de três ferramentas informáticas:

  • SITAR: envia mensagens SMS semanais aos agricultores com recomendações sobre irrigação, de forma a que possam otimizar o consumo de água com base na previsão meteorológica e necessidades de cultivo. Isto permitiu poupar mais de 5 milhões de litros de água em 2013.
  • ACUAS: um programa de assessoria junto das comunidades de consumidores de águas subterrâneas, para que façam uma utilização mais sustentável deste recurso. Permitiu poupar durante 2012 e 2013 mais de mil milhões de litros de água.
  • OPTIWINE: com dispositivos sensores da humidade nas vinhas, conseguiu-se otimizar o regadio destas plantas, poupando cerca de 10% do consumo de água em relação a 2012.

Infiltração de água nas nascentes costeiras de Castellón

As nascentes são bolsas de água subterrâneas, que em determinadas ocasiões são utilizadas como fonte para regadio. O problema é que quando estão próximas do mar, a sua utilização intensiva pode fazer com que baixem o seu nível e infiltrem água salgada, o que faz com que deixem de poder ser utilizadas para regadio dos campos na zona. Para evitar isto, a Coca-Cola colabora num projeto que visa "recarregar" as nascentes com água reciclada de forma a impedir que a água do mar entre, num projeto piloto de investigação que permite avançar neste setor.

Com este projeto, que tem três fases, calcula-se que ao longo de 2014 se tenham infiltrado 250.000.000 litros de água, devolvendo a vida a estas nascentes.

Tancat de la Pipa: as descargas de água que se tornam aptas para a vida

Nas margens do Parque Natural de Albufera, em Valência, está Tancat de la Pipa, um antigo arrozal que atualmente é o maior pântano artificial da Península Ibérica.

A este pântano chegam águas provenientes de rios, escoamentos, tratamentos municipalizados das localidades da zona... O desafio é melhorar a qualidade das águas que chegam à Albufera de Valência, e que possam albergar vida.

Isto está a ser conseguido com uns "filtros verdes" compostos por canais de plantas aquáticas, que proporcionam microorganismos à água que anulam a matéria orgânica e os nutrientes da água residual. Desta forma, é recuperada a água para a natureza e é criado um ecossistema que enriquece a biodiversidade da zona. Os resultados do primeiro ano superaram os 594 milhões de litros de água.

Can Fenosa, um caso único: a fábrica da Coca-Cola que recuperou uma lagoa

O compromisso da Coca-Cola é devolver à natureza 100% da água que utiliza, incluindo a que utilizamos no processo de elaboração das nossas bebidas e que não engarrafamos. No caso da unidade localizada em Barcelona, utilizámos esta água para obter algo único: recuperar o ecossistema de uma lagoa local. A fábrica verte, desde 2008, mais de 11 mil metros cúbicos de água para uma lagoa, que recuperou as suas espécies aquáticas e fauna avícola.

Além disso, a unidade foi construída com um conector biológico, que permite o movimento dos animais de forma segura entre a Serrada Litoral e o rio Besós, no seu percurso por Can Fenosa, zona onde está localizada a instalação e que poderia ser um obstáculo para a fauna. Duas atuações únicas transformam esta fábrica numa unidade única e amiga do ambiente.

Plantando Agua

Este projeto visa a recuperação da zona devastada por incêndios em 2009, próxima do manancial de Fuenmayor. Atua-se para recuperar o habitat da flora e fauna selvagem e cinegética que tinha sido destruído, com espécies autóctones de baixo consumo de água e espécies vegetais próprias como o azevinho ou a trufa.

Além disso, representa a dinamização sócio-económica da zona ao oferecer emprego aos habitantes das localidades afetadas e contribui para melhorar a qualidade da água e reduzir o consumo, bem como recuperar o ambiente envolvente do manancial.

Projetos anteriores

O que recolhemos aqui são os projetos mais destacados dos últimos anos, mas o compromisso da Coca-Cola com a recuperação da água não é novo.

Por exemplo, os colaboradores da Coca-Cola participaram na limpeza do rio Tejo na Live Positively Week, na qual colaboraram com uma equipa de profissionais da WWF Espanha. Durante o dia, dedicaram-se a limpar os resíduos do Rio Tejo, na zona em que se encontram os Sotos Históricos de Aranjuez, classificados como Património da Humanidade pela UNESCO. O objetivo destes dias de voluntariado era trabalhar em equipa por um rio limpo e conseguir um estado mais favorável das florestas, para que se tornem num ecossistema mais adequado não só para os animais, mas também para pessoas que apreciem o meio ambiente.

Com a Cruz Vermelha, foi realizado um projeto financiado pela Coca-Cola Espanha em Guiné Bissau para a criação de 10 poços de água potável na região de Cacheu. Esta zona agrícola tem uma dependência vital da água, mas o mau estado e a exploração incorreta dos poços atuais obrigam a população a constantes movimentações para que possa subsistir. Por isso, além de terem sido perfurados os 10 poços, realizaram-se sessões de formação sobre o funcionamento, manutenção e higiene dos poços.

Em África, no contexto do 2010 FIFA World CupTM, a Coca-Cola doou 50 mil euros a uma ONG local para permitir a construção de poços de água potável em mais de 100 escolas, já que em África cerca de 50% das crianças em escolas não têm acesso a este bem tão escasso. As crianças em idade escolar não têm meios para obter água própria para o consumo, tendo assim a taxa mais elevada de doenças relacionadas com este problema e os poucos poços aos quais tinham acesso estavam em condições altamente insalubres.

Imagem de | untipografico