A chama olímpica é o símbolo mais visível e icónico dos Jogos Olímpicos. “Qual a sua origem?” é a resposta que vais encontrar neste artigo e, para começar, partilhamos contigo uma lenda. Segundo reza a mitologia grega, a chama nasceu na Grécia antiga, onde Prometheus roubou o fogo de Zeus para o entregar aos mortais. O Fogo – considerado um elemento sagrado na mitologia grega – ardeu continuamente ao longo da celebração dos Jogos Olímpicos antigos realizados em Olímpia. E de que ano falamos? Os jogos foram celebrados pela primeira vez em 776 A.C e encenados a cada quatro anos para os quase 12 séculos que se seguiram.

Temple Chen Tien, na Foz do Iguaçu André Mourão Rio 2016

©Temple Chen Tien, na Foz do Iguaçu. André Mourão/Rio2016

Os mensageiros viajaram por toda a Grécia para que todas as pessoas soubessem que os Jogos se estavam a aproximar. A competição tornou-se símbolo de um período de paz durante um tempo em que as guerras eram frequentes. Na verdade, todos os conflitos foram suspensos durante os Jogos para garantir que os atletas pudessem competir em segurança e que os fãs conseguissem assistir a todas as partidas nas bancadas.

Os Jogos foram interrompidos antes de retomarem o seu rumo em 1896, em Atenas. A Chama Olímpica foi oficialmente (re)introduzida nos Jogos Olímpicos no verão de 1928 em Amesterdão, tendo sido uma parte importante dos Jogos modernos desde então.

A passagem da Tocha Olímpica foi introduzida pela primeira vez em 1936, em Berlim. A Chama foi acesa em Olímpia e viajou pelos sete países antes de chegar à capital alemã.

Cada vez que os jogos são realizados, o comité da organização local seleciona um designer para colocar a sua marca criativa na Tocha Olímpica. Embora a aparência varie ligeiramente de edição para edição, todas as versões da Tocha partilham um objetivo comum: trazer o espírito olímpico para o país anfitrião. 

A Tocha dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016 foi concebida pela agência Chelles & Hayashi, de São Paulo, tendo sido foi escolhida entre 76 agências por um júri multidisciplinar. Feito de alumínio reciclado, a sua conceção respira movimento, inovação e sabor brasileiro e reflete a união da chama olímpica com o calor do povo do Brasil. Apagada, a tocha é branca, mas uma vez acesa o “beijo da chama”, momento em que a tocha transfere uma chama olímpica para a outra, expande as cores da paisagem natural do país: amarelo como o sol; verde como as montanhas e azul como o mar.

A parte superior da Tocha é feita de vários segmentos, que se abrem e se expandem verticalmente quando a chama é passada. O corpo da Tocha, onde cada corredor o agarra, tem uma textura feita de pequenos triângulos para simbolizar os valores Olímpicos de excelência, amizade e respeito.

Lanternas. André Luiz Mello Rio 2016

©Lanternas. André Luiz Mello/Rio2016

A Tocha desembarcou em Brasília dia 3 de maio, dando início à sua passagem. Percorreu o seu caminho através de 329 cidades brasileiras com destino ao estádio de Maracanã, onde a chama se acendeu em glória durante a cerimónia de abertura.