A diretora de Recursos Humanos da Coca-Cola Ibérica, Marta Muñoz, conta com 23 anos de experiência desenvolvida a nível internacional. Ao longo da sua carreira, liderou projetos de gestão de mudanças de novas culturas, projetou planos estratégicos e implementou novas organizações e modelos operacionais. Marta Muñoz juntou-se ao Departamento de Recursos Humanos da Coca-Cola Ibérica há cerca de 5 meses e destaca a importância da gestão de talentos e pessoas.

Muñoz reconhece a importância do equilíbrio da conciliação entre a vida e o trabalho, no seu sentido mais amplo e individual. “É a via para que cada pessoa encontre a sua estabilidade, que te vai proporcionar a felicidade que mereces”, diz. “Trata-se de, no final do dia, me deitar e me sentir satisfeita comigo própria por ter chegado onde queria, tanto a nível pessoal como profissional”, realça.

Segundo a especialista em gestão de pessoas, as empresas devem oferecer aos seus funcionários “ferramentas” e “flexibilidade” para que escolham a opção que melhor se encaixam, a partir de uma “crença”: os empregados são indivíduos “responsáveis”.

“Na Coca-Cola somos muito sortudos porque nos é oferecido tudo o que precisamos para desenvolver a nossa carreira sem descurar a esfera privada”, diz Muñoz. Para este fim, os dois princípios orientadores são os horários flexíveis e a presença no escritório. “No ano passado, a Companhia ofereceu a todos os trabalhadores um smartphone, independentemente da posição. Além disso, todos têm um portátil e ajudas para que se conectem à Internet a partir de casa”. Na opinião de Muñoz, “há que lutar para que a presença laboral não seja um medidor do compromisso dos trabalhadores. Na Coca-Cola trabalhamos por objetivos e os caminhos para os alcançar são vários”.

A diretora de Recursos Humanos da Coca-Cola Ibérica, Marta Muñoz, conta com 23 anos de experiência desenvolvida a nível internacional.

“A Companhia simplifica-nos a vida”

A conciliação é, também, segundo destaca Muñoz, que “a Companhia diminua as preocupações, simplifique a vida, oferecendo, como no nosso caso, o seguro de saúde, um plano de pensão, sala de jantar e um ginásio dentro do escritório, e ainda o serviço Easylife, que executa para todos as tarefas que necessitam (desde deixar roupa na lavandaria, ir ao sapateiro, entre outros) …” Também passa por melhorar aquilo que se encontra estipulado pela própria legislação, através da atribuição de mais dias de férias ou fins-de-semana e acabando a sexta-feira às 13.30h.

Não esquecendo a política de gestão de talentos, algo que a Coca-Cola – segundo Muñoz – é “única”. “Investimos em criar oportunidades que supõem um desenvolvimento na vida profissional e pessoal. Por exemplo, acabámos de trazer uma rapariga do México para cobrir uma baixa maternal em Marketing. Embora represente um elevado custo para a empresa, é uma grande oportunidade para a jovem, e estamos felizes por dedicar os recursos para esse fim.”

A Companhia simplifica-nos a vida

“Dar a melhor versão de si próprio”

Para esta licenciada em Marketing, que se deixou contagiar pela emoção e paixão com que se trabalha na Coca-Cola, um funcionário feliz dá sempre “a melhor versão de si próprio, e com isso ganhamos todos: os outros, a empresa e a sociedade”.

No caso da Coca-Cola, o “twist” pendente, considera Muñoz, é “ouvir as necessidades individuais de cada funcionário e dotar os seus responsáveis com as ferramentas e competências adequadas para saber como lidar com os negócios e encontrar uma solução que seja vantajosa para ambas as partes”. Neste caso, irá concentrar os seus maiores esforços à frente de Recursos Humanos, porque, como defende enfaticamente, a diversidade e as diferenças, “longe de separar, enriquecem” e “apenas estando bem connosco é possível dar o melhor aos outros”.