Se costumas estar na praia ou perto do oceano, infelizmente já deves ter reparado nas várias formas de poluição. A quantidade alarmante de resíduos nos nossos oceanos está a aumentar, com imensos impactos prejudiciais. A Fundação Ellen MacArthur estima que até 2050, haverá mais plástico do que peixes nos oceanos do mundo. Esta estatística é impressionante e retrata um futuro que esperamos nunca experienciar.

É por isso que, há já várias décadas, apoiamos e promovemos programas de reciclagem dentro e fora do nosso negócio, recuperando embalagens para a sua reutilização, construindo campanhas de consciencialização direcionadas para os consumidores e criando parcerias que protegem e limpam os nossos oceanos e hidrovias. Mas ainda há muito a fazer.

No dia 1 de dezembro de 2016, a CNN lançou um documentário digital exclusivo intitulado “Ilha de Plástico: Como a nossa cultura descartável está a transformar o paraíso em cemitério”, que explorou os prejuízos que o lixo proveniente de plástico está a causar aos nossos oceanos – e potencialmente à nossa saúde. Nick Paton Walsh da CNN e a sua equipa viajaram para Midway Island no Oceano Pacífico Norte, a linha da frente devastadora na luta do mundo contra o plástico descartável. Lá, os jornalistas relataram e mostraram a quantidade de plástico presente nas praias (desde escovas de dentes a chinelos, a cabeças de manequins e garrafas, entre outros itens), a nadar no Pacífico, e a ter efeitos nocivos na vida selvagem. Os jornalistas também demonstraram uma crescente preocupação sobre como os plásticos dos nossos oceanos podem vir a acabar nos nossos pratos.

O documentário que nos coloca a pensar sobre o futuro, ilustra a questão dos detritos marinhos, alarmando para a necessidade de se desenvolver ações para proteger os nossos oceanos, a vida selvagem e a cadeia alimentar. Num mundo cada vez mais exigente que utiliza o plástico várias vezes ao dia e de tantas maneiras, resolver a questão do lixo oceânico não será fácil. Na Coca-Cola, compartilhamos preocupações sobre os resíduos, especialmente na concentração que aparece no Pacífico Norte, e acreditamos que serão precisos todos os esforços – de indivíduos, governos, empresas do setor privado, inclusive o nosso – para os eliminar.

Enquanto comunidade global, como podemos reduzir a poluição plástica nos nossos oceanos?

Embora a reciclagem seja uma solução óbvia, requer sistemas públicos eficientes e bem suportados e um número crescente de pessoas dispostas a reciclar em casa, no trabalho e em viagem. As empresas podem ajudar ao juntar-se à The Recycling Partnership, que visa criar parcerias público-privadas para melhorar a reciclagem a nível local. Indivíduos e grupos maiores podem recuperar resíduos através de esforços de limpeza coordenada. Gostaríamos de ouvir outras recomendações para inspirar mais pessoas a reciclar.

Enquanto a reciclagem de materiais é uma importante área de ação, um estudo recente da Ocean Conservancy sugere outras soluções baseadas em atividades em terra, como por exemplo, eliminar os vazamentos de resíduos plásticos em cinco países prioritários (China, Indonésia, Filipinas, Vietnam e Tailândia). Todos os países em que as economias estão a crescer mais rapidamente do que a necessária infraestrutura de gestão de resíduos, muitas vezes resulta na má gestão dos mesmos. Os dados sugerem que enfrentar o desafio nestes cinco países poderia reduzir o fluxo de lixo para o oceano em aproximadamente 45% nos próximos 10 anos. Entender a origem e as causas é importante à medida que trabalhamos coletivamente para tentar resolver esse problema.

Globalmente, todos nós precisamos de trabalhar para abraçar uma economia circular, onde as pessoas, instituições e empresas trabalham em conjunto para reduzir, redesenhar, recuperar, reciclar e reutilizar embalagens. Uma economia circular verdadeiramente sustentável exigiria um vasto leque de ações, incluindo o envolvimento dos consumidores, a defesa de mudanças políticas necessárias, a criação de parcerias na cadeia de abastecimento, o desenvolvimento de tecnologias de gestão de materiais de resíduos e muito mais. Na Coca-Cola, queremos fazer parte desta solução.

Ao longo dos anos, temos trabalhado com organizações como a Ocean Conservancy e, mais recentemente, da The Ellen MacArthur Foundation para encontrar soluções para este e outros problemas de lixo. Todos os anos, patrocinamos o International Coastal Cleanup, o maior evento voluntário de um dia que ajuda a limpar as vias navegáveis do mundo, como uma ação que visa impedir que o lixo atinja os oceanos. Estamos também a trabalhar com muitos dos nossos parceiros para ajudar a tornar a reciclagem mais fácil para todos e para promover o uso de garrafa de plástico feitas de materiais 100% recicláveis. Além disso, estabelecemos o objetivo de recuperar o equivalente a 75% das garrafas e latas que colocamos em mercados desenvolvidos até 2020. Hoje, estamos a ajudar e a apoiar a recuperação de cerca de 59% no mundo.

Bem sabemos que ainda há muito trabalho para fazer, mas estamos otimistas sobre o impacto que as nossas ações podem ter e o papel que todos nós podemos desempenhar para lidar com os resíduos marinhos. Embora seja um enorme desafio, temos que acreditar que é possível superá-lo.