Quando uma garrafa de Coca-Cola foi vendida pela primeira vez em território português – mais concretamente, em Lisboa – éramos um País muito diferente. Ouviam-se outras músicas, viam-se outros programas de televisão e começavam-se a praticar desportos que hoje em dia somam milhares de adeptos.

Mas afinal, o que estávamos nós, portugueses, a fazer em 1977? Que acontecimentos assinalaram esse ano em Portugal? 

Democracia

Período de transição após os anos de revolução de 1974-76, em 1977 instituiu-se a democracia em Portugal. Nas ruas, respirava-se o ar da liberdade. E com ela veio a Coca-Cola, como publicou o então Diário de Lisboa com o título «Começou a distribuição da ‘Coca-Cola’»:

Ontem, todavia, e na sequência de um despacho nesse sentido assinado em Janeiro de 1977 pelo secretário de Estado da Indústria Ligeira, engº Trigo de Morais, aquela bebida começou a ser distribuída na Grande Lisboa. (Diário de Lisboa, 5 de julho, 1977).

Começava, então, a distribuição de Coca-Cola na Grande Lisboa. No Porto, apenas passado uma semana e, após quinze dias, no Algarve. 

Música

Elevado à categoria de Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO, em Portugal faz-se silêncio para ouvir o Fado. Em 1977 era Amália Rodrigues, fadista acalmada como ‘a voz de Portugal’, que ouvíamos cantar em alto e bom som onde quer que fosse. Nesse ano, foi lançado o primeiro disco de inéditos de Amália em 3 anos: “Cantigas numa Língua Antiga”.

1977 é também conhecido como o “ano do punk”. A tendência internacional rapidamente atingiu Portugal e, naquele período, várias pessoas deixaram-se contagiar pela euforia de bandas de punk rock como Sex Pistols ou The Ramones. A verdade é que o ano 1977 viveu a música a todo o gás e não esquece uma das maiores de sempre: “Heroes”, de David Bowie.

Curiosamente, a música mais ouvida no mundo em 1977 foi “Tonight’s The Night (Gonna Be Alright)” de Rod Stewart. 

Festival da Canção

Festival da Canção

Quantas memórias deixou Portugal no Festival da Canção de 1977? Várias. Myriam Lopes, em representação de França, sagrou-se a grande vencedora com a música L’Oiseau Et L’Enfant.  Filha de pais portugueses, gostamos de pensar que a vitória de Myriam em 1977 teve, também, um pouco de nós.

Em representação de Portugal no Festival da Canção estiveram Os Amigos, banda formada pelos cantores Ana Bola, Edmundo Silva, Fernanda Piçarra, Fernando Tordo, Luísa Basto e Paulo de Carvalho.

Cinema e Televisão

No momento em que Portugal ouviu pela primeira vez a respiração pesada de Darth Vader, já lá iam quase sete meses de Star Wars nos Estados Unidos da América (EUA). O filme de ficção científica veio revolucionar a geração portuguesa daquela época, numa altura em que os grandes êxitos da televisão eram “Gabriela, Cravo e Canela” ou “Visita da Cornélia”.

O filme que na altura se chamava ‘Guerra das Estrelas’ estreou-se em Lisboa no final do ano de 1977. Quarenta anos depois e diretamente de uma galáxia muito distante, ainda se ouve dizer ‘que a força esteja contigo’ ou, se preferires, ‘may the force be with you’.

“Gabriela, Cravo e Canela”, a novela brasileira que começou a ser emitida a preto e branco nas televisões de Portugal em 1977, conquistou os portugueses e fez parar toda a nação. Já a “Visita da Cornélia”, um concurso da RTP1 apresentado por Raul Solnado, entretinha os espetadores todas as segundas feiras, em direto do Teatro Villaret.

Surf

Surf

Foi em 1977 que vários grupos de jovens por todo o país se reuniram para o primeiro campeonato nacional de surf, na praia de Ribeira D’Ilhas, Ericeira. A pequena vila piscatória foi reconhecida oficialmente em 2011 como a primeira Reserva de Surf da Europa e a segunda do mundo pela organização norte-americana Save the Waves Coalitionsabe mais sobre a Ericeira e o surf neste artigo.

Hóquei em Patins

Portugal sagrou-se o grande campão da Europa em Patins em 1977! É verdade, uma equipa portuguesa ganhou o Campeonato Europeu de Hóquei em Patins. Organizado pela Comité Européen de Rink-Hockey (CERH) de dois em dois anos, em 1977 quem o recebeu foi Portugal, mais concretamente, o Porto.